As Vantagens de Criptomoedas

Por que Criptomoedas são mais confiáveis

Decentralização

Blockchain Para Principiantes: Tudo o que Precisa de Saber Sobre a Tecnologia Blockchain, e Como está a Criar uma RevoluçãoSem dúvida, uma das propriedades mais vantajosas de criptomoedas é a decentralização. Este tipo de dinheiro não é emitido por nemhum baco central, o que significa, que tambpuco pode ser controlado por algum baco central. Se trata de dinheiro livre. Ao contrário do dinheiro convencional centralizado, criptomoedas não originam nem tem como destino banco algum. Elas, ao contrário, desafiam o sistema financeiro global. Se somente 10% da população mundial se adaptasse ao uso exclusivo de BitCoin, esse sistema baseado em dívidas e juros se demontaria. Mas já Gioethe disse: »Ninguém é mais escravo do que aquele que se julga livre sem o ser.«

Imunidade contra Acesso Não-Autorizado

Isto significa que nenhum governo ou banco pode confiscar BitCoins de uma conta, tampouco "colgelar" contas de BitCoin, e nem mesmo monitorar. Isto é dinheiro que pertence somente ao dono e a mais ninguém, a não ser que o dono conceda permissão. Todo ser humano tem o direito - e com BitCoin agora também o poder - de proteger sua privacidade e o seu patrimônio contra o regime. Os governos irão tentar regular criptomoedas no futuro com leis totalmente absurdas. Todos os governos, mais cedo ou mais tarde, agem desse modo quando tomam conciência que estão prestes a perder o poder. Esta sempre é a hora, em qual todo governo revela a verdadeira natureza de seu regime político.
Independente das leis que qualquer governo implemente, essas leis somente se aplicarão aos escravos que tendem a obedecer leis inúteis. Todas as leis que se referem à criptomoedas são inaplicáveis, e a explicação é muito simples: A base, sobre qual todo governo tem que agir, se constituem de espaço e de propriedade privada. O direito proprietário de hoje em dia provém ainda da época da Roma antiga. Quem garante a propriedade privada que é definida em um registro central é a mesma instância que controla o registro central. No mundo das criptomoedas, que também pode ser chamado de Criptolândia, este direito proprietário centralizado é simplesmente obsoleto.
A outra parte integral do fundamento que todo governo necessita para agir, no Blockchain também mostrou-se obsoleta: O Espaço. O Blockchain não conheche espaço. É simplesmente uma norma, que no Blockchain não se aplica a nada.
Já o governo, precisa de pelo menos um destes componentes para atuar. E justo a falta dos dois componentes impossibilita qualquer governo de interferir com os direitos das pessoas no Blockchain.
Conseqüentemente a eficiência dessas leis é comparável a alguém tentando invadir uma rede de computadores da NASA usando uma máquina de escrever de 1938. É bem medonho.
Visto do Blockchain, o próprio governo começa a parecer o governo da Coréia do Norte: Bizarro, grotesco e chega até a ser ridículo, pelo simples fato de que as leis da Coréia do Norte não se aplicam ao resto do mundo. Só quem vive lá, há de se subjugar. E assim como as leis da Coréia do Norte não podem ser aplicadas no Brasil, as leis do governo Brasileiro nào podem ser aplicadas na Criptolândia.

Isenção de Impostos

Pelos motivos já mencionados, o governo tampouco pde exigir o pagamento de impostos sobre criptomoedas. Não é por acaso, que "criptomoedas" se chamam assim. "Kryptós" vem do Grego κρυπτός e significa "oculto, escondido, invisível, secreto". Não é possível identificar transações de BitCoin entre indivíduos, muito menos impedí-las - pressupondo-se que nenhum dos indivíduos envolvidos queira ser identificado. Não existe um método realístico de aplicar leis fiscais a criptomoedas, por que para isso, a fiscalização tem que ser capaz de claramente atribuir uma conta a um indivíduo ou a uma empresa. Ninguém precisa pedir permissão, preencher um formulário, dar o seu nome, contar para alguém, e nem mesmo precisa estar conectado com a internet para abrir uma conta de BitCoin. Com BitCoin paga imposto só quem gosta.

Não-Falsificável, Inviolável, porém Verificável

Todas as transações jamais realizadas estão gravadas no Blockchain[1]. Isto quer dizer que existem milhões de cópias redundantes do banco de dados de transações. Isso faz BitCoin praticamente infalsificável. Supomos que alguém tente gerar um BitCoin eletrônicamente. Para ser um BitCoin, ele teria que encaixar nas transações já realizadas documentadas no Blockchain[1], o que não funcionaria com transações simplesmente inventadas, porque estas não podem ser conferidas. Seria menos dispendioso simplesmente mineirar BitCoins conferindo transações verídicas.
Este processo é intencionado pela propria natureza do BitCoin e é chamado de "mining" (engl.: "abbauen, fördern"). É o unico método de criar novos BitCoins.

Não-Inflacionista

BitCoin é uma moeda deflacionária. Não pode ser mineirada qualquer quantia de BitCoins. Um limite inrínseco da própria moeda impõe um limite que por razões matemáticas, não pode ser alterado. Os processos para calcular cada bloco se tornam cada vez mais complicados e precisam de cada vez mais desempenho de processamento. O assim chamado "halving" significa que o número de blocos mineirados é sempre dividido por dois. Deste modo o limite entra em funcionamento e causa a moeda a se aproximar assintóticamente ao número de 21 milhões de BitCoins. Assim sendo, o BitCoin é uma moeda deflacionária.

Anônimo

Exceptuando o caso em que um usuário queira publicar seu endereço de BitCoin (por exemplo para pedir doações), é praticamente impossível se rastrear os indivíduos por trás de transações de BitCoin. Normalmente o remetente conhece os dois endereços e o destinatário conhece somente o seu próprio endereço até o momento da transação. Após a transação ele também pode ver o endereço do remetente. Estes dois partidos não necessáriamente precisam se conhecer pelo nome, ou seja, embora um saiba o endereço de BitCoin do outro partido, ele não tem como descobrir o nome ou nem mesmo o país do outro partido, se este partido não desejar divulgar.
Mas qualquer pessoa pode ver e seguir qualquer transação que foi feita em qualquer endereço de BitCoin. Todos podem ver exatamente quais transações foram realizadas em um certo endereço, simplesmente visualizando o "livro fiscal" acessando o site blockchain.info ou bitcoinchain.com. O que ninguém pode ver, é quem está atrás da conta, que consiste de um código alfanumérico. Endereços de BitCoin podem ser livremente gerados.

Baixo Custo de Transação

Os custos para transações são extremamente baixos. Estes custos são usados para recompensar aqueles que confirmam transações, que também são chamados de mineradores. Esta parte garante o funcionamento do Blockchain do BitCoin além do prazo a partir do qual novas BitCoins não sejam mais geradas.

Transações Não-Canceláveis

BitCoin foi desenvolvido para funcionar num ambiente ausente de confiança ("trustless environment"), para possibilitar comércio também onde os partidos não confiem uns nos outros, e até mesmo entre partidos hostís. Quem participa do comércio na Darknet, tem como escolha na forma de pagamento somente dinheiro críptico. Métodos de pagamento convencionais não são aceitos nem aconselháveis. Estes métodos de pagamento centralizados só funcionam enquanto existe uma terceira instância em qual ambas as partes confiam, seja uma instituição do governo (corte) ou uma empresa (banco). Por isso BitCoin não permite revocar uma transação. Uma vez transferido, somente o recipiente pode fazer uma nova transação e mandar o dinheiro de volta. Não existe um Banco, uma empresa ou uma hotline que se possa chamar para dizer que foi um equívoco e pedir para que o banco cancele o pagamento.

Protegido contra Roubo

BitCoins não podem ser roubadas. Ninguém pode realizar uma transação sem ter a chave criptográfica privada pertencente a um determinado endereço. Quem se lembra do caso Mt. Gox, deve saber, por que os BitCoins, neste caso, foram roubados. Mt. Gox era uma empresa que abria contas de BitCoin para clientes. Porém, Mt. Gox, como todas essas prestadoras, retém a chave privada. O que aconteceu neste caso for que o "banco", Mt. Gox, abriu o cofre dos clientes com a chave mestra, pegou os BitCoins e sumiu. Ou seja: Estes BitCoins técnicamente, nunca foram roubados. Eles nunca realmente pertenceram aos clientes, porque os clientes ignoraram uma lei de ferro: »Quem controla a chave privada, controla os BitCoins.« - Your private key - your BitCoins. Not your private key - not your BitCoins.
É recomendável gerar uma carteira segura, talvez até uma "brain- wallet", que é uma conta gerada offline, da qual se decora a chave privada. Ninguém pode se apossar de uma conta protegida desta maneira e mesmo assim os BitCoins são acessíveis de qualquer computador do mundo.
Hardware Wallets, como por exemplo o Trezor ou o Nano Ledger S são também uma boa opção para segurar os BitCoins e outras criptomoedas contra roubo, contanto que estas wallets sejam devidamente protegidas. Mais sobre isso no capítulo "Segurança".



[1] O Blockchain é como um livro fiscal público, no qual são gravadas todas as transações efetuadas. Cada usuário recebe uma cópia atualizada. Cada nova transação é adicionada a um bloco (block) e recebe um carimbo de data e hora. Logo, este bloco é adicionado a uma corrente (chain) de blocos já existentes (chain). É uma corrente de blocos, em inglês "blockchain". Uma explicação mais simplificada se encontra no capítulo Explicação do Blockchain.


© 2017 by Markus Besold